20120407

Águia-real (Aquila chrysaetos)

ESPÉCIE: 000.054
CAIXA TAXONÔMICA
02: - Accipitriformes:
02.1: - Accipitrídeos:
02.1.03: - Aquila:
02.1.03.04: - Águia-Real (Aquila chrysaetos)
Linnaeus, 1758
ESTADO DE CONSERVAÇÃO: LCPouco Preocupante. 

                  A Águia-real ou, raramente, Águia-dourada (Aquila chrysaetos) é uma ave de rapina de hábitos diurnos, da família Accipitridae. Habita em grande parte do Hemisfério Norte: Europa Ocidental, Norte da África e grande parte da América do Norte. 

Características físicas: 
  • Comprimento: 66 a 100 cm 
  • Envergadura de asas: 150 a 250 cm 
  • Peso: 2,5 a 12 kg Como em todas as aves de rapina, as fêmeas são ligeiramente maiores que os machos. 
Alimentação: 
              Alimenta-se de tarântulas, morcegos, pássaros, coelhos, ratos, toupeiras, répteis, lebres e carniça. 

Reprodução: 
              A época de reprodução inicia-se em meados de janeiro e prolonga-se até maio-setembro, podendo variar de acordo com a zona geográfica. Cada casal pode ter até 10 ninhos, mas só 2 ou 3 são usados em rotação. 
                Alguns casais usam o mesmo ninho cada ano, enquanto outros alternam os anos. O mesmo ninho pode ser utilizado por gerações. O ninho é normalmente construído num precipício alto. Entretanto, podem ser utilizadas árvores quando não há precipícios disponíveis. O local de nidificação preferido é onde a presa pode ser avistada facilmente. O ninho pode atingir dimensões enormes, se o local o permitir. Alguns ninhos de precipício medem 2,5 a 3 m de diâmetro por 01 a 1,20 m de espessura. O ninho é volumoso e composto de varas, ramos, raízes, ervas daninhas e mato. A fêmea é responsável pela maior parte do período de incubação, embora o macho ajude frequentemente. A postura pode ser de 01 a 04 ovos; no entanto, é mais comum ser de dois ovos. A cor dos ovos é branco sujo, com manchas castanhas ou castanho-avermelhadas. A incubação dura 35 a 45 dias. As crias que nascem primeiro são mais fortes e, frequentemente, matam os irmãos menores e mais fracos, sem que os pais interfiram. O filhote é dependente dos pais durante 30 dias ou mais. 

Comportamento: 
            Formam casais, e um casal precisa até 55 km de território para caçar. A velocidade comum durante o voo é de 45 a 50 km/h; foram registados mergulhos que variam de 240 km/h a 320 km/h para capturar a presa. No Alasca e no Canadá, os exemplares de águia-real viajam, na maioria, para sul no outono, quando a comida começa a faltar no norte. Mas nem todos migram; alguns permanecem no Alasca, no Canadá meridional e no norte dos EUA. 

Habitat: 
              Ocorre na Eurásia, no Norte de África e na América do Norte. Em Portugal, nidifica no Parque Nacional Peneda-Gerês e nos troços internacionais dos rios Douro e Tejo e respetivos afluentes. 
                A área de procriação na América do Norte inclui o México norte-central, a zona ocidental dos Estados Unidos – Dakotas, Kansas e Texas –, o Alasca e o norte do Canadá. Durante o inverno, avistam-se exemplares no Alasca meridional e no Canadá e no oeste dos Estados Unidos e do México. São vistos alguns no estado do Minnesota todos os outonos durante a migração e ocasionalmente no rio Mississippi durante o inverno. 
             A Águia-real é protegida pelo governo dos Estados Unidos e considerada ameaçada de extinção. A caça, a eliminação de presas por alteração do habitat natural e o envenenamento por mercúrio são os fatores principais que limitam as populações desta ave. A Águia-real abandona o ninho, mesmo durante a incubação, se for perturbada. 

Subespécies: 
                 Existem 05 subespécies de águias-reais: 
  1. Aquila chrysaetos canadensis. 
  2. Aquila chrysaetos chrysaetos. 
  3. Aquila chrysaetos daphanea. 
  4. Aquila chrysaetos homeyeri – subespécie presente na península Ibérica 
  5. Aquila chrysaetos japonica – subespécie inglesa 
Curiosidades: 
  • Uma águia pode transportar até 30 kg em voo. 
  • A águia-real é conhecida por mergulhar para capturar a presa a velocidades calculadas entre 240 e 320 km.
  • Já se viram águias-reais capturarem animais voadores tão grandes como tarântulas.
  • Foram também vistas, ocasionalmente, comendo morcegos putrefatos.
  • Pode acontecer um peixe ser derrubado na água 06 ou 07 vezes antes de ser consumido pela águia.
Vídeos da Espécie:

video

video

video

Fotos da Espécie:







ORNITOLOGIA
Jisohde G. Posser
120407

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigado;
Volte sempre para dar uma expiadinha...